Primeira vitória de um Williams

Hoje em dia a Williams é somente uma boa equipe, mas houve época em que mandava na Fórmula 1, ganhando muitos títulos e provas. Os mais ávidos torcedores sabem que a primeira vitória da Williams foi no GP da Inglaterra de 1979, com Clay Regazzoni, mas poucos sabem qual foi a primeira vitória de um carro produzido por Frank Williams.

Frank entrou na F1 em 1969, preparando um Brabham para seu amigo Piers Courage. Teve excelentes resultados, inclusive dois segundos lugares. Em 1970, a equipe passou a usar um chassis De Tomaso, e as coisas foram de mal a pior. O carro nunca marcou pontos, e para melar de vez a temporada, Courage morreu no GP da Holanda. Em 1971, Williams comprou um March, e seu piloto era Henri Pescarolo.

Foi em 1972, na equipe que contava com o brasileiro José Carlos Pace, que Williams produziu seu primeiro chassis, o Politoys, que disputou poucas corridas com Henri Pescarolo e Chris Amon. Politoys era o nome do patrocinador de Williams na época.

No ano seguinte, os patrocinadores de Williams eram a Iso Rivolta, fabricante italiana de carros esportivos, e a Marlboro, e seus carros (inclusive, inicialmente, o rebatizado Politoys) passaram a ser chamados de Iso-Marlboro até 1974. De 1975 em diante, o nome Williams passou a ser usado para designar os carros produzidos pela equipe.

Em 1976, o Campeonato Europeu de Fórmula 5000 foi substituído por um campeonato de Grupo 8, do qual podiam participar carros da Fórmula 1, Fórmula 5000, Fórmula 2 e Fórmula Atlantic. Dada a abrangência de categorias permitidas, os grids eram razoavelmente bem providos, embora muitos dos carros tivessem qualidade questionável. Nesse primeiro ano, dominou o campeonato David Purley com um Chevron equipado com motor Ford GAA, um motor que não era nem de F-1, nem da Fórmula 5000 propriamente dita (não tinha cinco litros). Os carros de Fórmula 1 ainda eram poucos, e ganharam poucas corridas.

Uma destas vitórias foi justamente a primeira vitória de um Williams.

O australiano Brian McGuire já participava da Fórmula 5000 há alguns anos. Quando o regulamento foi mudado, resolveu comprar um carro de F-1 para disputá-lo, mais especificamente o chassis FW-04 da Williams, equipado com um motor Cosworth.
Inscrito na primeira corrida do ano, McGuire não estava com o carro pronto, mas já participou do campeonato a partir da segunda corrida. Geralmente estava entre os mais rápidos nos treinos, largando inclusive na primeira fila na terceira prova, em Oulton Park.
Mas o momento de glória de McGuire e sua Williams se deu no dia 12 de setembro de 1976, em Thruxton. Numa corrida de trinta voltas que contou com 28 participantes, inclusive o McLaren M25 que pertencera durante algum tempo a Antonio Carlos Avallone (pilotado pelo ex-piloto de F1 Bob Evans), McGuire teve um dia perfeito, fazendo a pole position, marcando a volta mais rápida e ganhando a corrida com mais de 40 segundos de diferença para o segundo colocado, Damien Magee.

Foram os quinze minutos de McGuire e sua Williams.

Continuou a participar do campeonato em 1976 e 1977, e de fato, nesse último ano resolveu que tinha feito modificações suificientes no carro para chamá-lo de McGuire. Tentou inclusive um lugarzinho ao sol no GP da Inglaterra, sem obter pré-classificação para a corrida.

Quase um ano após sua excelente vitória em Thruxton, McGuire chegou ao fim de sua carreira e vida. Na pista de Brands Hatch, na décima primeira prova do campeonato, McGuire teve um sério acidente nos treinos de classificação, após marcar o tempo razoável de 1m25s (a 3 segundos do pole). McGuire veio a falecer, e sua pseudo criação desapareceu das pistas.


Comments

Popular posts from this blog

O piloto de Fórmula 1 mais rico do mundo

Patrocínios e patrocinadores – nem tudo que reluz é ouro

Uma grande decepção