Planos fracassados

Todos temos planos fracassados, até os mais bem sucedidos na vida. Entretanto, em alguns casos a zebra é tão grande que não dá para explicar.

A Copa Brasil de 1972 é um desses casos.

O ano de 1972 foi o ano em que o Brasil teve mais corridas internacionais, de uma série de categorias, até um passado mais recente. Além da realização da primeira corrida de Fórmula 1 moderna no país, foi também realizado um bom torneio de Fórmula 2 e uma edição dos 500 Km de Interlagos com muitos carros internacionais.

Era de se esperar que a Copa Brasil fechasse o ano com chave de ouro.
Entre outras coisas, ainda haviam alguns carros de Grupo 6 no Brasil, em condições de correr. O Porsche 908-2 da Hollywood, o Ford GT40 e McLaren do Greco, o Porsche 910 ex-Hollywood, a Lola T210 da Hollywood, a Alfa T33 da Jolly, e os Royales. Sem contar diversos Avallones com motor de grande capacidade, e um grande número de protótipos na Argentina.

A imprensa veiculou um plantel interessante de participantes, muitos dos quais nunca chegaram perto do Brasil.

Especulava-se que a Ferrari, que havia contratado José Carlos Pace para sua esquadra de protótipos, mandaria um carro para seu piloto. Wilson Fittipaldi Junior supostamente pilotaria uma Alfa da Autodelta, e a outra seria pilotada por Andrea de Adamich. Também especulava-se a possibilidade de Wilsinho pilotar um Porsche 917, o que acabou acontecendo.

Dois BRMs estavam inscritos. Se a Ferrari não mandasse o carro para Moco, supostamente seria este carro utilizado pelo piloto de F1. Além destes bólidos, Tony Dean, ex-vitorioso na Can-Am, traria seu Porsche 908, Helmut Kelleners seu McLaren, Brian Robinson, Trevor Twaites e David Purley correriam com Chevrons, e Brian Martin com um Martin. Havia "tantos" carros desejando inscrição que havia até dois reservas, os McLarens de Steve Matchett e Lothar Motschenbacher (o único piloto a disputar todas as corridas da velha Can-Am) e um Berta para Luis di Palma.
Acontece que, na hora "H", dos Divisão 6 brasileiros só disputou a Copa o Porsche 907 da Equipe Motoradio. Nem sombra das equipes Greco, Hollywood e da Jolly. Moco não correu nem com Ferrari, nem com BRM. De fato, supostamente o BRM de David Hepworth foi perdido em um incêndio em um navio, o que rendeu dores de cabeça a Antonio Carlos Avallone. Nenhum dos carros enumerados acima compareceu.

Dos Avallones, somente participou o carro do próprio Avallone, pilotado por Jan Balder. Os carros brasileiros acabaram participando das corridas de Divisão 4 da Copa.

Entre os estrangeiros, somente mereciam menção Andrea de Adamich, piloto de F1, com uma Alfa T33 e Willy Kauhsen. Os pilotos estrangeiros que compareceram eram decididamente de segunda linha.


Alfa de De Adamich - foto de Rogerio da Luz

Os carros de divisão 6 existentes no Brasil perderam sua última chance de correr no país. O campeonato de D6 ainda estava previsto para o calendário, porém, nunca foi realizado, e a maioria dos carros, aposentada. Outros foram reformulados como carros de Divisão 4.

Infelizmente, a Copa Brasil de 1972 foi um fracasso. As provas com os carrões foram curtas (para não quebrar os poucos carros presentes), o público pequeníssimo, e foi a última vez em que Antonio Carlos Avallone se meteu a organizar corridas internacionais.

Este foi um sonho que virou pesadelo. Avallone só não ficou careca por causa da Copa Brasil 1972 porque já era careca!

Carlos de Paula é tradutor, escritor e historiador de automobilismo baseado em Miami

Comments

Popular posts from this blog

O piloto de Fórmula 1 mais rico do mundo

Patrocínios e patrocinadores – nem tudo que reluz é ouro

Uma grande decepção