A globalização

Quando descobri que a Planeta de Agostini estava publicando uma coleção de velhos carros brasileiros, fiquei muito entusiasmado. Há alguns anos atrás havia comprado alguns carros, como JK, Veraneio, Belcar, numa loja de brinquedos de São Paulo. Eram carros que tinham sido distribuídos por um jornal, se não me engano do Rio de Janeiro, e o excedente acabou em São Paulo. As miniaturas, em escala 1-43 eram de qualidade razoável. Porém logo vi que as miniaturas de Planeta de Agostini eram de uma melhor qualidade.

O grande problema é que não moro no Brasil. Comprar a coleção em bancas e mandar entregar num endereço no Brasil seria uma opção. Assinar não era uma opção, pois nem todos carros me interessavam. Pedir para alguém checar o que estava disponível na banca, seria bastante mala.

Uma pena. Logo descobri que a editora fazia parte de um grupo que vendia essas coleções na França, e aqui começa a saga de globalização. Na França os produtos eram vendidos pela espanhola Altaya, e consegui comprar um Simca e um Ford Capri de corridas, este último em Le Mans.

Havia a opção de comprar mais tarde no Mercado Livre - e ser devidamente roubado com muito ágio - ou esquecer da história.

Porém, vivemos no mundo globalizado...

Lá por novembro passado, descobri um site chamado american-excellence.com. Um dos meus sites prediletos para compra de miniaturas tinha fechado, e não havia muitas opções para comprar miniaturas da NEO e Spark. Às vezes, comprava de sites alemães, porém, para justificar os 35 Euros de DHL, tinha que comprar muito e esperar semanas.

Fiz uma encomenda no tal site americano, e nada. Bolas, a companhia estava situada na Florida, há duas horas de carro! Entrei no site e descobri algo interessante. O site, na realidade, era espelho de um site alemão! Pois dentro da programação, tudo estava em alemão! Minha suspeita foi corroborada, quando um email (respondido em inglês), tinha alguns elementos em alemão.

Eventualmente recebi os carrinhos, inclusive a Matra do Chris Amon que não se achava mais em lugar algum nos EUA. Com uma mensagem em alemão na fatura. Fiquei feliz.

E mais feliz ainda quando descobri que alguns dos carrinhos da tal coleção brasileira, na realidade eram vendidos no site, numa marca chamada White Box!

Aí começa a tal globalização. Comprei carros produzidos no Brasil, nos anos 60, num site americano, que na realidade, era um site alemão. Dois dos carros, a Brasinca e o Malzoni, foram desenhados no Brasil, a Vemaguete e o Belcar na Alemanha, e a pick-up Chevrolet nos EUA. Curiosamente, as placas nos carros são dos EUA e Canadá!

A tal da White Box...ninguém sabe quem é. Há lugares que dizem que é a IXO disfarçada, firma de Hong Kong que produz excelentes carros - inclusive o Ford Capri que comprei na França, vendido por uma empresa espanhola. Só sei que os carros são feitos na China!

Em suma, uma pequena transação como esta, com tantos desdobramentos geográficos...      

DKW GT Malzoni, met. light blue

Comments

Popular posts from this blog

O piloto de Fórmula 1 mais rico do mundo

Patrocínios e patrocinadores – nem tudo que reluz é ouro

Uma grande decepção